WEB RÁDIO

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Itens mais consumidos no carnaval estão acima da inflação, aponta FGV

O carnaval deste ano vai sair bem mais caro para o folião que consumir produtos fora de casa no período.
Entre fevereiro  de 2013 e o último mês de janeiro, os itens mais procurados pelos que saem às ruas, em busca da animação, subiram em média 9,25%.
É uma alta que supera em muito a inflação acumulada pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Getulio Vargas (FGV), que ficou em 5,61%.
A pesquisa sobre os produtos mais consumidos pelos foliões foi divulgada ontem (26) pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV.
Os preços das bebidas e das refeições aparecem com destaque no levantamento, a começar pela cerveja, que subiu 10,92%, nos bares e 11,69% nos supermercados.
As demais bebidas alcoólicas, adquiridas em bares e restaurantes, tiveram alta média de 7,87%.

Se optar por refrigerantes e água mineral, o folião também vai pagar mais do que a inflação.
A alta desses dois itens foi 12,6%, enquanto a dos sucos de frutas foi ainda maior: 13,83%. No entanto, os sucos adquiridos em supermercados tiveram uma variação de apenas 2,8%, bem abaixo, portanto, do IPC.
Em matéria de bebidas, só houve queda de preço nas destiladas, vendidas em supermercados com redução média de 0,54% em relação ao carnaval de 2013.
Quanto à comida, o valor das refeições em bares e restaurantes avançou 9,14% desde o último carnaval. Também subiram acima da inflação os preços dos salgados e doces (9,01%), dos sanduíches (11,95%) e dos sorvetes (9,81%).
De acordo com o economista André Braz, do Ibre-FGV, os aumentos já foram incorporados aos preços bem antes do carnaval. No entanto, ele adverte que “durante a festa, os preços poderão sofrer novos reajustes, em função do aumento da demanda”.
Um item muito consumido no carnaval teve aumento abaixo da inflação, de 2013 para cá: os preservativos e lubrificantes, com variação de 4,37%.
A pesquisa da FGV também registrou, na comparação com o carnaval passado, altas de 8,48% nos preços dos protetores solares, de 8% nas diárias de hotéis e de 6,75% nas passagens aéreas.
Paulo Virgilio, Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário